21/11/2016

contínuo

levantei aos tropeços.

maldita ressaca, pensei.
não me lembro como esse abajur se quebrou.
onde estão os meus cigarros?
ah, achei. vou fumar só um.
nossa, já são 14h. vou passar um café.
deus, quanta dor de cabeça. acho que não tenho mais remédios. aquele dia tomei uma caixa.
 não me lembro de ter comprado mais.
droga, queimei a mão. que merda de fogão, preciso mandar arrumar.
vou tomar um banho, como algo na rua.
onde coloquei minhas chaves? droga
perdi minha câmera. onde estão as fotografias?
céus. vou me atrasar novamente.
achei.

e sai.

mundo a fora. selva de pedra. mais um dia de trabalho, vida irregular, dores infinitas e juízos míseros.
quem vê pensa, acha que ela está se matando aos poucos (talvez esteja mesmo), talvez seja mais uma suicida crônica. mas a vida passa e ela só está tentando se ajustar, se encontrar, se acalmar.

banalidades. vida cotidiana. o que querem de nós?

Nenhum comentário:

Postar um comentário